07/02/2019

Cofen publica parecer sobre lavagem auricular por enfermeiro

Procedimento pode ser realizado apenas no âmbito de equipe multidisciplinar,

Procedimento pode ser realizado apenas no âmbito de equipe multidisciplinar, mediante protocolo

O plenário do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) aprovou o parecer 05/2019,  da vice-presidente Nádia Ramalho, sobre realização de lavagem auricular pelo enfermeiro. Fruto de consulta do Coren-RS, o documento considera legitimo o procedimento em âmbito multidisciplinar, desde que seja comprovada capacitação e treinamento técnico do enfermeiro “e que as atribuições de cada membro da equipe multiprofissional estejam descritas em protocolos assistenciais que contemplem os aspectos éticos e legais da profissão”.

Se o enfermeiro não se sente preparado para assumir a lavagem auricular, deve encaminhar a resolução do problema para o profissional melhor qualificado, no âmbito da equipe multiprofissional.

Cerume é uma condição normal no canal auditivo externo e geralmente confere proteção contra otites agudas. A presença dele é geralmente assintomática, mas, às vezes, pode causar complicações, como perda auditiva, dor ou tonturas. Também pode interferir no exame da membrana timpânica.

A remoção de cerume é o procedimento mais comum de otorrinolaringologia realizado na Atenção Primária à Saúde (APS) nos EUA e na Inglaterra. Segundo o National Institute for Health and Care Excellence (NICE), os pacientes devem ter a chance de ter cera removida em uma clínica geral ou clínica comunitária, em vez de serem encaminhados a um especialista.

Estima que cerca de 2,3 milhões de pessoas a cada ano têm problemas com cera suficiente para exigir intervenção, especialmente idosos e pessoas que usam aparelhos auditivos ou fones de ouvido. Para o NICE diz que a remoção de cera pode ser feita por um enfermeiro ou fonoaudiólogo da comunidade, desde que eles tenham o treinamento e a experiência para fazê-lo, estejam cientes de quaisquer contraindicações ao método e tenham acesso ao equipamento correto.


Fonte: Fonte: Ascom - Cofen